A alma é o segredo do negócio!

 

31 Out

Uma noite de medo e de confirmação de uma grande certeza. Há quase 16 anos, começava a carreira no jornalismo esportivo, ainda estagiário, mas já na função de repórter de tv. Nesse período de dificuldades, medo e muito aprendizado, me deparei com um momento marcante, que mostrou muito bem o que meu trabalho representava (e representa ainda hoje). Já falamos desses desafios de início de carreira em outro post aqui no site.

Era um sábado. No outro dia, uma das partidas decisivas do Campeonato Pernambucano.

Quando, em virtude de uma inflamação em um dos dentes, comecei a sentir um frio enorme, que foi avançando e que gerou uma sensação terrível. Corpo todo tremendo, se debatendo. Uma tremedeira fora do normal. Parecia que os ossos iam quebrar. Familiares acionados. Uma febre de mais de 40 graus. Minha mãe, por ser médica, conseguiu evitar algo ainda mais grave.

O medo de algo mais sério logo dividiu espaço com um outro medo que me ensinou muito. O medo de não poder fazer o que gosto no outro dia. O medo de ficar fora de uma decisão de campeonato depois de meses intensos de dedicação, suor e muita fé.

Nesse instante de lágrimas não pela doença, mas por pensar em não fazer a cobertura da final, percebi o que meu trabalho representava (e representa). Lembrei do quanto tinha ralado naquele ano, dia a dia, para se chegar a uma cobertura de uma final. Lembrei do quanto tinha ralado para ter e segurar aquela oportunidade profissional. E do que ela significaria depois. Lembrei que me preparei ao máximo para aquele momento. Não queria perder.

No outro dia, mesmo muito debilitado e pálido e enjoado, conseguir ir trabalhar. Mesmo sem estar 100% no corpo(longe disso), mas bem mais que 100% na alma.

Não lembro o resultado da partida. Mas não esqueço da vitória pessoal/profissional que foi poder estar lá.

Nesse dia, o significado real do meu trabalho ficou bem mais claro. Não era emprego. Não era cargo. Não era remuneração. Era sentimento. Comprometimento. Entrega.

E carrego isso comigo até hoje. O meio muda. O aprendizado e o sentimento não. Dizem que o segredo é a alma do negócio. Prefiro inverter.

A alma é o segredo do negócio!